Metaverso causa aumento nos preços dos imóveis

Saiba o motivo pelo qual o metaverso está mudando as questões financeiras pelo mundo, inclusive o aumento nos preços dos imóveis.

Imagem ilustrativa

Metaverso passou a ser assunto diário dos internautas. Isso aconteceu após a marca Facebook mudar seu nome para Meta, portanto, hoje em dia muitas pessoas comentam sobre a palavra.

Mark Zuckerberg provavelmente chamou a atenção do mundo para o metaverso, mas o mundo digital está em ascensão há algum tempo. O Minecraft, um jogo online, existe desde 2011, onde não é somente um mundo digital, mas também tem as ferramentas para construí-lo em torno de si. Dessa forma, com suas versões do metaverso, a “meta” é construir esses mundos rapidamente, para que as pessoas possam simplesmente vir e passar seu tempo lá.

Tempo é dinheiro

Metaverso

Se há uma coisa que a internet e os milhões de aplicativos nos ensinaram mais uma vez é que tempo é dinheiro. A quantidade de tempo que um usuário está disposto a gastar em seu site ou aplicativo é diretamente proporcional à quantidade de dinheiro que é possível ganhar, já que agora muitas pessoas consomem cada vez mais aplicativos.

O metaverso promete uma série de coisas para fazer em um espaço tridimensional. Assim sendo, as empresas querem ocupar propriedades privilegiadas no metaverso para mostrar seus produtos e serviços, assim como a Times Square em Nova York. A partir de agora, há lugares limitados que têm o potencial de ser a Times Square do metaverso e pertencem a empresas como The Sandbox, Decentraland, Cryptovoxels e Somnium Space, que possuem os imóveis em seus mundos digitais.

Imóveis no metaverso

metaverso imóveis

À medida que mais jogadores querem entrar no metaverso, as parcelas limitadas de imóveis estão vendo seus preços dispararem. No ano passado, os negócios imobiliários no metaverso arrecadaram US$ 500 milhões (R$ 2,6 bilhões) e devem dobrar este ano.

Quase todo nome popular globalmente tem um pedaço de propriedade no metaverso. Isso acontece de celebridades a bancos de investimento, varejistas de moda a empresas de produção musical. Ou seja, todo mundo colocou um pé no metaverso, caso isso se torne uma grande coisa no futuro.

Como disse um corretor de imóveis comerciais ao Fórum Econômico Mundial, a maioria dos investimentos é resultado do FOMO ou do medo de perder. As avaliações de negócios do metaverso, como a do JP Morgan Chase, que o chamou de oportunidade de US$ 1 trilhão, provavelmente manterão o ritmo alto por pelo menos um tempo.

Sucesso ou Fracasso

metaverso bolha ou sucesso

O mundo das empresas baseadas na Internet não é estranho às bolhas. Duas décadas atrás, a bolha das pontocom viu trilhões de dólares em valor de mercado serem varridos em questão de meses. Então, o metaverso também carrega o mesmo risco?

O CEO da Somnium Space, Artur Sychov, pensa assim. Falando ao WEF, ele disse: “Por mais que o interesse em imóveis virtuais aumentou nos últimos seis meses, é claro que a maioria das pessoas ainda não entende completamente o caso de uso real desses lotes. O valor monetário real só deve ser atribuído a bens virtuais que fornecem utilidade real para seus proprietários. Caso contrário, há um risco enorme de criar uma bolha especulativa que prejudicará consumidores e empresas.”

Enquanto muito está sendo feito do mercado imobiliário crescendo no metaverso, é preciso lembrar que, por mais que queiramos replicá-lo, o mundo digital não é o mundo real. Os preços dos imóveis aumentam no mundo real, uma vez que a demanda é contra um recurso finito. Embora as parcelas de terra no metaverso possam ser limitadas agora, não há razão para que permaneçam finitas. À medida que o número de usuários cresce, mais destinos podem aparecer no metaverso em um período muito curto de tempo.

Ao contrário do mundo real, o metaverso não envolve um tempo de deslocamento para um novo destino. Portanto, teletransportar-se para um novo destino seria apenas uma questão de alguns segundos e as pessoas deixarão um mundo digital para outro quando um iate mais sofisticado surgir no novo mundo.

Então, da próxima vez que você ouvir uma história convincente sobre o metaverso, pode ser do próprio Mark, leve-a com uma pitada de sal.